20 DE KISLEV, segundo dia da libertação do primeiro Rabi

20 Kislev ,HAYOM YOM


A primeira edição do Tania, “livro dos homens intermediários”, foi concluída na Terça feira 20 de Quislev 5557 (1796) em Slovita. Ela compreendia:

· A primeira parte: Sefer Shel Beinonim

· A Segunda parte: Chinuch Catan e Shaar Haichud Vehaemuná.

Igueret Hateshuvá, na sua primeira versão, foi publicada pela primeira vez em Zalkwi, em 5559 (1799) depois, pela primeira vez na sua Segunda versão, em Shclov, em 5566 (1806).

Igueret Hacodesh foi editado pela primeira vez em Shclov em 5574 (1814).

A edição corrigida destas quatro partes se imprimiu em Vilna, pelo editor Rom, em 5660 (1900). Em seguida, ela foi reimpressa em várias oportunidades.

https://b77153dd-4ea9-4d73-b377-0540a1e636a8.filesusr.com/ugd/1c7944_e1382c18794f4abc8b64a9dd56d4ce1b.pdf


20 Kislev 5557-1796

O Tanya foi impresso pela primeira vez.

O Admor Haemtsahi contou:

“O Admor Hazaken escreveu o Tanya durante vinte anos, adicionando, tirando, indicando, até atingir a perfeição. Ele deu então a autorização para recopiá-lo e difundi-lo. Então, milhares de cópias circularam e o texto foi émaillé de erros. Logo, o Admor Hazakennomeou emissários próximos ao Rabbi Yehouda Leib Cohen e ao Rabbi Zoussya de Anipoly para perguntar a eles se ele devia imprimir o Tanya. Quando ele recebeu seu acordo, ele procedeu a esta impressão.”

Em Elul 5556-1796, o Admor Hazaken transmitiu o manuscrito do Tanya para a gráfica de Slovita. Ele pediu ao tipógrafo (impressor) que acabasse seu trabalho até o início de Kislev 5557, a fim de que o Tanya impresso pudesse ser estudado, no dia 19 Kislev, dia da Hilula do Maguid de Mezeritch, seu mestre.

O dia 19 Kisle vpassou e o Tanya não foi entregue ao Admor Hazaken, como ele desejava. Ele concebeu muita pena.

No segundo dia de Hanuka, dia 26 Kislev, um office boy (empregado) chegou de Slovita, trazendo os duzentos primeiros Tanya, cuja impressão estava terminada no dia 20 Kislev. O Admor Hazaken considerou os livros durante um longo momento e disse:

“Muitos são os pensamentos do homem. Eu desejei que este livro estivesse terminado no início de Kislev, para a Hilula de meu mestre, o Maguid. Mas, somente a idéia de D’us se realiza, e ele só foi então acabado no dia 20 Kislev.”

Ele disse ainda:

“No dia 20 Kislev, no 20 Kislev, no 20 Kislev, tudo o que D’us faz é para o bem.”

Ninguém compreendeu o sentido destas palavras, nem porque o Admor Hazaken ficou tão afetado com por este atraso de duas semanas, e nem porque ele havia repetido três vezes a data do dia 20 Kislev. Todos ficaram espantados.

Depois, em 5559-1798, quando o Admor Hazaken foi libertado da prisão, ele foi levado, por um erro, para a casa de um de seus oponentes e foi somente de noite, véspera do dia 20 Kislev que ele pôde deixar esta casa. Então, todos compreenderam os propósitos surpreendentes que ele tinha mantido, em relação a data do 20 Kislev.”

Citando o Admor Hazaken, o Admor Haemtsahi explicou ainda que, durante esses dois anos, os Chassidim  se entusiasmaram pelo estudo da Tora e pelo serviço de D’us graças ao estudo do Tanyae isto salvou o Admor Hazaken da morte, pois centenas de milhares de anjos foram criados a partir do estudo das palavras do Tanya. Estes se tornaram intercessores dos Chassidime do Rabbi. Graças a eles a justa causa foi reconhecida.

(Sefer Hatoldot)

Primeira impressão do Tanya

 O Tania foi impresso pela primeira vez no dia 20 de Kislev.

 O segundo Rabi de Lubavitch, o Admur Haemtsahi contou: “O Admur Hazaken escreveu o livro básico da Chassidut, o Tânia, durante vinte anos, adicionando, tirando e lapidando o texto até atingir a perfeição. Ele deu então a autorização para recopiá-lo e difundi-lo. Então, milhares de cópias circularam e o texto ficou repleto de erros intencionais ou involuntários. Logo, o Admur Hazaken nomeou responsáveis para perguntar ao Rabi Yehouda Leib Cohen e ao Rabi Zussia de Anipoly se ele devia imprimir o Tania. Quando ele recebeu o acordo deles, ele realizou a impressão do livro.” No mês de Elul 5556-1796, o Admur Hazaken transmitiu o manuscrito do Tania para a gráfica da cidade de Slovita, na Rússia. Ele pediu ao tipógra que acabasse seu trabalho até o início do mês de Kislev 5557, para que o Tania impresso pudesse ser estudado, no dia 19 de Kislev, dia da Hilula do Maguid de Mezeritch, seu mestre. O dia 19 de Kislev passou e o Tania não foi entregue ao Admur Hazaken, como ele desejava. Ele ficou muito triste por causa desse atraso. No segundo dia de Hanuka, dia 26 de Kislev, um entregador chegou de Slovita, trazendo os duzentos primeiros livros do Tania, cuja impressão estava terminada no dia 20 de Kislev. O Admur Hazaken observou os livros durante um longo momento e disse: “Muitos são os pensamentos do homem. Eu desejei que este livro estivesse terminado no início de Kislev, para a Hilula de meu mestre, o Maguid. Mas, somente a idéia de D’us se realiza, e ele só foi então acabado no dia 20 de Kislev.” Ele disse ainda: “No dia 20 de Kislev, no 20 de Kislev, no 20 de Kislev, tudo o que D’us faz é para o bem.” Ninguém entendeu o sentido destas palavras, nem porque o Admur Hazaken ficou tão abalado com este atraso de duas semanas, e nem porque ele havia repetido três vezes a data do dia 20 de Kislev. Todos ficaram espantados. Depois, em 5559 (1798), quando o Admur Hazaken foi libertado da prisão, ele foi conduzido por engano para a casa de um de seus oponentes e foi somente de noite, véspera do dia 20 de Kislev que ele pôde deixar esta casa e ser então plenamente libertado. Então, todos entenderam o sentido das palavras repetidas que ele tinha falado em relação a data do 20 de Kislev. Citando o Admur Hazaken, o Admur Haemtsahi explicou ainda que, durante esses dois anos que separam as duas prisões do Admur Hazaken, de 1798 até 1800, os Chassidim se entusiasmaram pelo estudo da Tora e pelo serviço de D’us graças ao estudo do Tanya e isto salvou o Admur Hazaken da morte, pois centenas de milhares de anjos foram criados a partir do estudo das palavras do Tanya. Estes se tornaram   intercessores dos Chassidim e do Admur Hazaken. Graças a eles a inocência do autor do Tania foi provada.

 Extaido do Sefer Hatoldot 


O Tanya libertador

 “Foi no dia 20 de Kislev que a libertação atingiu a perfeição. Assim, sabemos que um dos méritos que permitiu a libertação do Admur Hazaken foi a redação do Tanya. Entretanto, esta obra foi impressa pela primeira vez no dia 20 de Kislev.” Extaido de um discurso do Rabi Menachem Mendel Schneersohn, no Shabat Vayeshev 5733 (1972).

Em 19 (Yud-Tes) DE  Kislev, o Alter Rebe foi libertado da prisão. Mas ele  voltou para casa somente  o dia seguinte,  o 20 de kislev, Chof Kislev, então os dois dias são feriados, um Yom Tov!

Há uma lição importante que podemos aprender com o que aconteceu em Chof Kislev. Mas, primeiro, vamos revisar o que aconteceu em Yud-Tes Kislev em Ruchnius, de forma espiritual:

Por que o Alter Rebe que era o Tzadik da geração, tal Moshe rabenu, tal Moises, parou na prisão? Como alguém tão notório e tão elevado pode parar na prisão na base de falsas acusações e complôs?

O Alter Rebe tinha devoção total,  Mesiras Nefesh para divulgar judaísmo e ensinar hassidut. Já que ensinar hassidus era algo novo, nos “céus”  não estava claro se era a coisa certa a ser revelada agora no mundo. Portanto, também no baixo mundo físico material,  que é um reflexo do que acontece em cima, no mundo espiritual, houve judeus que discordaram de espalhar hassidus. Por varios motivos.

Somente após a libertação  de Yud-Tes Kislev foi decidido em nos céus, e mais tarde aceito na terra também, que hassidus DEVE ser aprendido para preparar o mundo para a vinda de Mashiach!

Depois que o Alter Rebe saiu da prisão, ele escreveu uma carta aos hassidim, impressa em Igeres Hakodesh, dizendo-lhes como agir com aqueles que eram contra hassidus. Ele disse aos hassidim para serem humildes e não dizerem "Ah, estávamos certos!" ou tratá-los de forma inadequada, violenta,  como inimigos.

O próprio Alter Rebe deu um exemplo disso a seus hassidim, que foi o que aconteceu na data do 20 de kislev, em Chof Kislev:

Logo depois que o alter Rebe saiu da prisão, ele pediu para ser levado à casa de um de seus hassidim nas proximidades. Na mesma casa também morava um dos Misnagdim, virulo oponente a hassidut e um destes que forjaram contra o Rabi para parar na prisão.... Por engano, o Alter Rebe foi levado ao apartamento do virulento oponente, o Misnaged em vez de ir na casa do hossid!

O Alter Rebe ficou sentado lá, na casa do inimigo por três horas, enquanto o  disse muitas coisas maldosas sobre hassidus para machucar o Alter Rebe. Quando finalmente os hassidim perceberam o mal entendido (quiproquó) que havia acontecido, eles foram ao apartamento do Misnaged para buscar o Alter Rebe. Os hassidim ficaram muito chateados com o Misnaged e queriam puni-lo por incomodar o Alter Rebe! Mas o alter rebe disse que, por respeito ao anfitrião, desde que preparou chá para ele, ele primeiro quis beber o copo de chá.

Obviamente, se o decreto divino já tivesse sido removido, o Alter Rebe não precisava passar por mais nenhuma prisão e dor. A única razão pela qual isso aconteceu foi para mostrar um exemplo aos hassidim de como agir após a liberção. Mesmo que eles tenham ficado muito magoados e chateados com aqueles que fizeram com que o Alter Rebe fosse preso, eles ainda deveriam tratá-los de uma maneira educada respeitosa. Sem impulso sem vingança. Na paz. Liberação na paz. baseado na narrativa de hitas for kids

20 DE KISLEV, segundo dia da libertação do primeiro Rabi